domingo, 8 de fevereiro de 2009

Abraço para uma amiga especial

Esta semana foi aniversário de uma grande amiga. Estou um pouco triste por não poder abraça-la, estar pessoalmente com ela. A distância nos separa fisicamente. Mas, ainda bem que o contato via e-mails, skype e interurbanos pelo telefone é constante.

Não sei se por causa desta ausência física, esta semana fiquei lembrando da época que nos conhecemos. Vejam como a vida é mesmo engraçada, como o destino é traçado... como o Universo vive conspirando a nosso favor!!!! Em 1980, decidi que ia fazer cursinho pré-vestibular, pois queria fazer faculdade de Veterinária. Escolhi fazer no Objetivo, entre tantas outras opções... e optei por fazer na Av. Paulista, pois sabia que lá estavam os melhores professores. Fiz minha inscrição. Era só esperar o começo das aulas.

O primeiro dia de aula foi assustador! Acordei bem cedinho, ainda estava escuro lá fora. Peguei um ônibus e durante o trajeto, de mais ou menos uma hora, até a Av. Nove de Julho, fiquei pensando no que me esperava; suava frio de ansiedade. Desci no ponto depois do túnel, subi todas aquelas escadarias até o Masp, depois mais uma caminhada de uns 15 minutos até o prédio da Gazeta. Quando chego lá, assustei-me por ver um número imenso de jovens! Tava acostumada com aquela vidinha tranquila de colégio, que por ser na periferia de São Paulo, era um clima meio de cidade do interior e já conhecia quase todos os alunos. Não que conhecesse todos pelos nomes, mas já estava acostumada com a maioria dos rostos... Agora ali com tantos rostos desconhecidos...
A área de biológicas ficava logo no térreo, mas mesmo assim, quando entrei pelo corredor, fiquei atônita! As salas eram IMENSAS. Acho que cabiam umas 500 pessoas em cada. Tinha umas 5 ou seis! Mas, descobri uma salinha menor, que ficava num canto à direita. Apesar de grande, comparada à sala de aula do colégio, era melhor que as outras. Entrei, escolhi um lugar e me sentei.
Demorei pra me acostumar com tudo aquilo. Os professores tinham muita didática, mas sem dó enchiam o quadro negro com milhares de informações! Em uma semana tinha recebido mais informações do que num mês de aula no colégio! Cada professor tinha sua maneira peculiar de manter a atenção dos alunos – contando piadas, recitando versinhos, cantando musiquinhas ou fazendo palhaçadas! Mas mesmo assim, aquilo era massacrante.
Durante essa difícil fase de adaptação, fui conhecendo aos poucos as pessoas que se sentavam próximas a mim e o fato de estar ali já não era tão intimidador. Mais ou menos na minha frente, sentava-se uma morena de cabelos cacheados, bem séria, mal conversava com os demais... bem concentrada nos estudos. Não sei quanto tempo levou pra gente começar a conversar, mas um dia descobri seu nome: Karina.
Aí nasceu uma amizade de quase trinta anos!!!! Na época, ela queria prestar vestibular pra medicina. O que foi a minha sorte, senão não a teria conhecido.
Vejam só como o destino vai traçando os caminhos... eu poderia ter escolhido estudar no Anglo, ou no Etapa, que também eram cursinhos bem renomados na época, mas escolhi o Objetivo. Poderia ter ficado na Unidade de Santo Amaro, já que era bem mais próxima e ganharia mais tempo pra estudar, pois gastaria menos tempo me deslocando de casa para o cursinho..., poderia ter entrado em outra sala, ou mesmo me sentado do outro lado da sala...Ela também poderia ter feito inúmeras outras escolhas... mas, nos sentamos naquele cantinho da SM-5 e nos conhecemos!!!!
Isso é o tipo da coisa que a gente tem que agradecer a todo dia, quando se levanta. A Karina tornou-se minha grande amiga e hoje a tenho como se fosse uma irmã muito querida. Acho que daria pra escrever um livro sobre todas as coisas que já passamos juntas. Quantas confidências, quantos planos (lembro de uma viagem de trem para Americana!!!), quantos segredos trocados! Quantos abraços, quantas comemorações, quantas conquistas que compartilhamos!!!! Quantos ombros molhados... tantas perdas que tive e que sempre minha amiga estava lá pra me dar um conforto; tantas decepções e medos compartilhados.

Querida Amiga. Obrigada por tudo. Obrigada por me ajudar nos momentos difíceis e por me fazer rir nas mais inusitadas situações. Saudades das noites que dormimos falando de planos para o futuro, de trabalho, de ex-namorados, de futilidades! Pelos almoços e jantares deliciosos... Pelo incentivo, pelas broncas, pelo carinho, pelas lições de vida. Obrigada, obrigada!

Esta foi a maneira que encontrei para “abraça-la” neste aniversário! Um grande beijo!
Espero você em Trancoso!

2 comentários:

Karina disse...

Amor é assim: se escreve com mil frases, com muitas lembranças e com algum silêncio!
Dou a graças a Deus por nossos caminhos juntas!
Breve estaremos juntas outra vez!
beijos e "recebi" seu abraço, porque para a verdadeira amizade não há distância.

Rodrigo disse...

Olá Silvinha, sempre passo por aqui para matar a saudade, mesmo que seja apenas virtualmente, té adoro

Rodrigo


Adoro os felinos... esta foto foi feita durante o passeio pelo Zoológico!

"Os espaços, um a um, deveríamos com jovialidade percorrer, sem nos deixar prender a nenhum deles...". - Hermann Hesse -

"Não gaste impensadamente os seus dias na pregação desesperada de princípios renovadores que você tem dificuldades de abraçar. Corrijamos em nós o que nos aborrece nos outros e Jesus fará o resto pela felicidade do mundo inteiro". - Bezerra de Menezes - psicografia de Francisco Cândido Xavier

Sombra!

Sombra!
Realmente, depois que o Estopa se foi, a Fufi mudou alguns hábitos... além de ter mais curiosidade pela parte externa da casa, agora ela fica muito atrás de mim, sempre me fazendo companhia. Na foto, ela está no meu colo enquanto estou no atelier costurando!!!!